terça-feira, 29 de abril de 2014

INSPIRADORA: SWAMI SATYASANGANANDA SARASWATI

SWAMI SATSANGI


Swami Satsangi no Satyananda Yoga Center - Brasil/2011

Swami Satyasangananda Saraswati é carinhosamente conhecida como Swami Satsangi. Nasceu em 1953, na pequena cidade de Chandernagore, Bengala Ocidental, na Índia.  Apesar de ter tido uma educação moderna, ela optou para uma vida de renuncia e Sannyasa depois de uma série de despertares internos que a conduziu ao seu Guru Swami Satyananda, sendo iniciada à tradição Dashnami Sannyasa no dia 6 de julho de 1982, em Ganga Darsham, Munguer.




A partir daí, ela viajou extensivamente com Sri Swami Satyananda tanto na Índia como no exterior, contribuindo para seu desenvolvimento na tradição do Yoga, Tantra, ciências modernas e filosóficas. Com extrema habilidade para articular os ensinamentos antigos do Yoga, Tantra, Vedanta e trazer para um contexto moderno, faz com que Swami Satsangi seja um canal ideal para transmitir a sabedoria dos ensinamentos de seu Guru. 




Considerada uma verdadeira mestra e uma escritora talentosa, Swami Satsangi é autora de grandes textos e livros sobre Yoga e Tantra, sendo eles: Sri Vijnana Bhairava Tantra: The Ascent; Karma Sannyasa - Luz no Relacionamento Guru Discípulo (editado em português); The Descent; Sri Saundarya Lahari; Tattwa Shuddhi: The Tantric Practice of Inner Purification. 

Em 1989, seu guru Sri Swami Satyananda Saraswati, recebeu em meditação um mandato interno, passando a viver em reclusão em uma vila rural remota em Jharkhand conhecido como Rikhia. Swami Satyasangananda foi à pessoa que localizou esse lugar que ele viu em sua visão. Ela negociou a compra do terreno e se preparou para a chegada de seu Guru, no qual sempre ficou ao seu lado. Naquela época Rikhia era pobre e irrelevante, uma vila desconhecida em um dos estados mais pobres da Índia. Não havia estradas, eletricidade, telefones, lojas, tráfego, nenhum vestígio do século 21.  
Swami Satsangi

Desde então com missão designada a ela dedica-se à realização da visão de seu Guru, ao Sivananda Math, uma instituição fundada por Sri Swami Satyananda Saraswati, em 1987, em Munger em memória de seu Guru, Swami Sivananda Saraswati. Swami Satsangi administra todas as atividades através dos ensinamentos de Swami Sivananda de servir, amar e doar, e a melhorar a qualidade de vida dessa região e ao seu redor, cujo local é considerado um dos mais pobres da Índia.
Os esforços incessantes de Swami Satsangi têm transformado a área inteira em um vibrante centro de espiritualidade, onde as pessoas se aglomeram em grande número em busca de crescimento espiritual. Também é um centro de  energia que cuida de mais de duas mil crianças que vêm para o Ashram diariamente para aprender Inglês, computação, praticar Yoga, cantar Mantras, realizar Poojas e Havans. Estas organizações também oferecem ajuda às viúvas e anciãos das aldeias, bem como contribui na assistência econômica e social para mais de trinta mil famílias aborígenes de cento e sessenta aldeias.

Em primeiro de janeiro de 2007 foi designada como a Peethadhishwari (guia espiritual) de Rikhiapeeth por Sri Swami Satyananda. Atualmente ela continua residindo em Rikhia, local que se tornou um centro espiritual onde pessoas de todo o mundo pudessem receber inspiração, ter a experiência de vida de um Ashram, experienciar a entrega e o serviço abnegado.

Swami Satsangi no dia da iniciação em 2007.

Swami Satsangi  é um ser iluminado, uma mestra que absorveu e agora transmite a sabedoria dos ensinamentos do seu Guru. Em 2009 ela recebeu a orientação de Swami Satyananda, para viajar internacionalmente, levando a luz desses ensinamentos para todos. Em 2010 iniciou essa jornada indo por vários países da Europa. Posteriormente em 2011 esteve na Nova Zelândia, Eslovênia e Hungria e depois visitou alguns países da América do Sul, incluindo o Brasil, em um lindo Seminário sobre Tantra e Espiritualidade, no qual compareceram mais de 300 pessoas, entre outras atividades em Belo Horizonte e São Paulo.
Swami Niranjan, Sri Swami Satyananda e Swami Satsangi.
Fonte: Bihar School of Yoga

terça-feira, 22 de abril de 2014

2° Encontro de Sannyasis Casa do Guru - 2014

Grupo de Sannyasis

Sábado, 05 de abril foi realizado na Casa do Guru/Moeda o segundo encontro do ano de Sannyasis, coordenado por Swami Aghorananda e Gangadhara para os Sannyasis brasileiros da tradição de Satyananda Yoga®.

Assim como no primeiro encontro o grupo teve a oportunidade de aprofundar em estudos de importantes textos para o crescimento pessoal e espiritual. O tema principal desse encontro foi o Karma Yoga  apresentado por alguns Sannyasis. 



Abaixo algumas reflexões sobre o tema, retirado do texto de Swami Satyasangananda Saraswati.

- "Karma Yoga é a panaceia para a mente turbulenta e incansável, a qual nunca está saciada e se mantém desejando cada vez mais e mais."

Início do estudo


- "Karma é esta famosa palavra conhecida por governar nossa vidas e destino, de maneira que determina nosso nascimento, morte e vida após morte também".

- "O objetivo do Yoga, de fato não somente do Yoga, mas da vida, é se mover em direção ao conhecimento e não em direção à ignorância".

- "Dois dos nossos maiores professores nesta jornada em direção ao conhecimento são a dor e o prazer. A dor e o prazer que nós vivenciamos supostamente devem nos ensinar a agir sabiamente, de maneira que nós podemos entender o que nós podemos fazer ou não."

- "O Bhagaavd Gita (2:50) define Yoga como 'perfeição em ação' - yogah karmasu kausahlam. Isto na verdade significa que o que quer que seja que você faça perfeitamente é Karma Yoga, porque perfeição em ação somente é possível se sua mente está focada no que você está fazendo".

- "Quando você trabalha pelo valor do trabalho, sem expectativa, então existe a liberdade, a liberação, que você experimenta, porque você não está apegado no que faz. Você experimenta a libertação da dor e do prazer. Nesta liberdade, você ganha a visão do conhecimento."


Exposição do tema

Tópicos sobre Karma Yoga

Pausa para refeição

sexta-feira, 18 de abril de 2014

KARMA YOGA NA VIDA DIÁRIA

Karma Yoga na vida diária
Swami Niranjanananda Saraswati


O Yoga sempre foi pensado como uma série de práticas para ser realizada longe das situações da vida social normal – em um ambiente de sala de aula ou em um retiro na companhia de "seres espirituais". Nós pensamos que, se praticarmos esta ou aquela técnica de Yoga, vamos alcançar este ou aquele resultado. O que temos feito é transformar o Yoga em um processo mecânico que conduz à autoconsciência. Temos de afastar essa ideia e fazer do Yoga uma parte da nossa expressão natural. Só então, o Yoga tornar-se-á um processo que conduz à auto-realização.
Se praticarmos Yoga como uma técnica para nos sentir bem, então vamos, definitivamente, nos sentir bem por um tempo. Se praticarmos Yoga, a fim de relaxar, então vamos definitivamente relaxar. Se praticarmos Yoga para conectarmo-nos com nós mesmos internamente, então isso também se tornará possível. Mas qualquer que seja o interesse da prática, este será momentâneo, uma fase transitória, e, quando tivermos que enfrentar de novo a realidade, tensões e frustrações da vida, então o efeito do Yoga ficará em segundo plano. Portanto, é preciso que se entenda que a experiência real do Yoga acontece através de Karma Yoga. Mesmo se você praticar Hatha Yoga, Raja Yoga, Kundalini Yoga ou Kriya Yoga você tem que combinar a técnica escolhida com Karma Yoga, a fim de ter uma rica experiência do processo.
Algumas pessoas têm a ideia de que Karma Yoga não tem nenhuma relevância em suas vidas, que é apenas trabalho duro. Alguns pensam que Karma Yoga é apenas serviço ao Guru, à Deus ou à humanidade. Outros pensam em Karma Yoga como serviço altruísta ou ação altruísta. Nenhuma destas definições representa o verdadeiro espírito do Karma Yoga, porque o Karma é uma parte integrante da nossa personalidade e da vida. As pessoas têm traduzido Karma como ação. Alguns têm definido Karma como causa e efeito. Nenhuma dessas definições é verdadeira. Você tem que entender que tudo na vida é Karma e se você evitar o Karma, então você não existe.

Expressão da natureza do Karma
A Natureza expressa o Karma através dos elementos. O calor do fogo é o Karma do fogo. A expansividade do espaço é o Karma do espaço. O movimento do vento é o Karma do ar. A natureza líquida da água é o Karma da água. A solidez da terra é o Karma do solo. Desejos, expectativas e pensamentos são Karmas da mente. As expressões dos sentidos são Karmas do corpo. Na verdade, somos Karma homogêneo. O mundo inteiro é Karma homogêneo, toda a criação é Karma homogêneo.
Entenda que Karma não é apenas causa e efeito, não é só a ação. Karma é um movimento de ondulação do tipo sutil que afeta todas as dimensões da criação. Karma é o movimento que acontece no corpo, através dos sentidos e na mente, através das projeções mentais e experiências. Se você pratica Asana (posições físicas), você está alterando o Karma do corpo. Se você pratica Pranayama (técnicas de respiração), você está alterando o Karma de vitalidade e do cérebro. Se você pratica a meditação, você está alterando o Karma da mente sutil e do espírito. Esta é a maneira de gerenciar os Karmas que nos influenciam tanto de forma positiva, como de forma negativa. Karma é a consciência do movimento da vida. Não é trabalho árduo, não é serviço, não é causa e efeito, é a compreensão de como nos relacionamos com nós mesmos e com o nosso ambiente.
No terceiro capítulo do Bhagavad Gita, Krishna afirma que o tema do Karma Yoga nunca foi compreendido. Ele disse isso há 5.000 anos e hoje ainda é válido, porque Karma Yoga é um assunto que envolve a compreensão da natureza humana, que envolve o desenvolvimento da consciência total da personalidade. É um processo de observação do nosso movimento na vida, do grosseiro ao sutil, para o espiritual.

Tornar-se consciente

cinco componentes do Karma Yoga. O primeiro componente é a consciência. Tornar-se consciente começa com o corpo, quando praticamos Asana. A consciência torna-se parte da prática de Asana e do movimento físico. Se você tem que mover um dedo, você está ciente do movimento do dedo, e também da força dos músculos e do movimento das articulações. A consciência emergente disseca o dedo em ossos, músculos e nervos. Os músculos e os ossos se movem de forma diferente, os nervos e ligamentos puxam de forma diferente e a consciência continua a se tornar mais aguda, mais sutil. O que você observou antes é uma experiência, mais tarde, você vê isso em seus diversos componentes e formas. O objetivo do Asana é torná-lo consciente de seu corpo e de como ele se expressa em situações normais. Consciência no Asana levará a conforto e estabilidade.
Nos Yoga Sutras, Patanjali define Asana como uma postura em que você se sente confortável e estável. Você está sentado aqui durante os últimos vinte minutos. Você está estável e confortável? Alguns de vocês sim, outros não, e aqueles que estão confortáveis agora, ficarão desconfortáveis depois de dez minutos. No momento, não estamos conectados com o corpo. Nós sentamos, mas não temos consciência do sentar. Caminhamos, mas não temos consciência de andar. Nós movemos nosso corpo, mas não temos consciência do movimento do corpo. O propósito do Asana é levá-lo a um estado de conforto e estabilidade. O reconhecimento do conforto e da estabilidade, só virá quando você se tornar consciente.

Observando-se a reação
O segundo componente do Karma Yoga é mental, observando suas reações e comportamento interior. Alguém diz: "você é muito bonito e uma pessoa grande e maravilhosa". Um outro lhe diz: "você está sem esperança". Estas afirmações afetam sua sensibilidade e criam uma reação. Essa reação domina seus preconceitos, crenças e idéias. Você se sente eufórico ou deprimido. Seu estado de espírito se modifica. Uma única frase tem força para alterar seu humor. O primeiro componente do Karma Yoga é estar consciente, o segundo é observar sua reação.
Patanjali enuncia no terceiro Sutra: "O 'vidente' se estabelece em sua própria natureza". Quem é este vidente, o observador? Qual é o papel desse observador ou vidente? No primeiro estágio, o vidente tem a experiência; é como a pessoa está respondendo e reagindo a pessoas, situações e circunstâncias. Este é um dos objetivos da meditação também. Através da experiência da meditação e de observar as mudanças no humor, consciência e mente. Quando estamos conscientes das expressões mentais que se manifestam, então somos capazes de dirigir e guiar nossas expressões mentais. Mesmo a meditação torna-se um processo de realização do movimento mental, psicológico, sutil, emocional ou Karma.

Desenvolvendo imunidade

O terceiro componente é o desenvolvimento de imunidade contra as coisas que o afetam. Como você desenvolve imunidade de situações ou influências? Ao sair das percepções egocêntricas nas quais outras pessoas ou objetos não existem e só você é o centro e o foco de sua vida. Quando você é capaz de ir além da consciência egocêntrica, auto-centrada, então você começa a desenvolver imunidade a situações, eventos e idéias.


Gerenciando a expressão emocional
O quarto componente do Karma Yoga é liberar os bloqueios emocionais. Emoções são muito escorregadias. Intelecto é um caminho em linha reta, um caminho linear. Por meio da lógica, você pode ir do ponto "A" ao ponto "B" ao ponto "C" ao ponto "D", uma rota contínua, até o fim. Lógica ou intelecto é um caminho em linha reta horizontal, mas as emoções são um caminho inclinado, pelo menos, 45 graus. É difícil subir, mas fácil deslizar. É difícil desenvolver uma identidade emocional positiva e feliz, e é muito fácil cair ou escorregar para as emoções negativas. Nunca nos ensinaram a odiar ou como ficar com raiva ou inveja ou agressivo. Isso vem naturalmente. Mas quando tentamos ensinar como amar, como ser compassivo e positivo isso não vem naturalmente. Portanto, as emoções são um caminho inclinado; nós deslizamos a maior parte do tempo e subir é uma grande luta e uma longa jornada.
Tornar-se consciente de como você é capaz de gerenciar suas expressões emocionais é o quarto componente. Você é capaz de manter-se sereno tanto no sucesso como no fracasso? Se você pode fazê-lo, você terá uma personalidade muito equilibrada. No entanto, você precisa ter confiança, fé e crença em si mesmo e, ao mesmo tempo, precisa acreditar ou ter fé e confiança em alguma natureza cósmica superior que orienta a sua vida.


O melhor exemplo é o agricultor. O agricultor planta as sementes e cuida do crescimento das plantas, na esperança de que um dia o que ele plantou vai dar bons resultados na forma de frutas e grãos. Mas não há tanta coisa que o agricultor possa fazer. Além disso, ele tem que esperar pela graça divina e que o clima seja o correto. A chuva deve cair no momento certo. O sol deve brilhar no momento certo. Existe um limite para o esforço humano. Depois, há o surgimento da graça divina. Se o ambiente não está certo, todos os esforços do agricultor serão desperdiçados, e, se houver muita graça divina na forma de chuva, também pode ocorrer à inundação de toda a fazenda. Então, até certo ponto, é preciso ter essa crença, confiança e fé em si mesmo e, além deste ponto, você precisa ter fé, confiança e acreditar na força cósmica. Tem que haver um equilíbrio adequado entre a confiança que você coloca em si mesmo e a confiança que você coloca na força cósmica. Esta harmonia de confiança é conhecida como Karma Yoga das emoções.

Deixando de lado as obsessões
O quinto componente do Karma Yoga é deixar que as pendências pessoais se vão, deixando de lado as obsessões que criamos dentro de nós mesmos. Isto é conhecido como sinal de rendição. Não pense em rendição em termos de definições filosóficas ou religiosas, mas como suplantar e liberar-se das obsessões, e tornar-se livre. No momento em que você é capaz de abrir mão de suas obsessões, você se torna criativo. Nossas obsessões não permitem que a natureza criativa venha à tona. Criatividade não significa apenas a expressão artística. Criatividade significa mente e emoções em plena floração. Esta criatividade é alcançada quando somos capazes de liberar nossas obsessões e complexos. A próxima etapa, então, se transforma em ação altruísta, que é espontânea e natural. Para algo tornar-se altruísta, não há nenhum desejo, nenhuma ligação, nenhuma associação com o que está acontecendo. Caso contrário, todos nós tentamos converter água em vinho na primeira chance que temos. Não porque isso nos ajuda de alguma forma, mas porque aumenta nosso ego. A natureza egoísta é geralmente a predominante. Tornar-se altruísta é uma das coisas mais difíceis na vida.


Uma vez Deus decidiu dar uma bênção para um santo que tinha feito um monte de penitências. Mas o santo não desejava nada mais na vida, uma vez que tinha visto Deus e se recusou a aceitar qualquer coisa. Então, Deus deu a benção da paz, prosperidade e saúde para a sombra do santo. O santo não sabia sobre a dádiva, mas, onde quer que fosse, havia paz, prosperidade e saúde. Isso é um ato altruísta.
O serviço abnegado, o ato altruísta, é o ponto final e culminante do Karma Yoga. Se você associar Karma Yoga com os outros Yogas, então você vai ver a sua relevância. Hatha Yoga sem Karma Yoga não tem sentido. Você também tem que estar ciente de que não estamos falando de Karma, mas sobre Karma Yoga. Quando a palavra Yoga é adicionada à Karma, significa harmonia em todos os movimentos da vida, harmonia em todas as expressões do corpo, mente e emoções. Este é o conceito de Karma Yoga – internalizar a consciência, tornando-se consciente e libertando-se de obsessões e da negatividade.
É claro que temos que começar com algo tangível e reconhecível, e isso é o nosso corpo, que carregamos desde o momento de nosso nascimento até a hora de nossa morte. Assim, em Hatha Yoga e Raja Yoga, a associação com Karma Yoga leva-nos  a aprofundar a consciência. Em relação à Bhakti Yoga, Karma Yoga leva a equilíbrio das emoções. Em relação ao intelecto e Jnana Yoga, Karma Yoga leva a um maior conhecimento, percepção, observação e sabedoria. Como um ser perfeito caminha, come, vive, dorme? Pense nisso. Mesmo em Kriya Yoga e Kundalini Yoga, Karma Yoga tem de ser adicionada. A experiência que você tem com o despertar das forças sutis, as energias sutis, os centros psíquicos, tem que ser harmonizada, deixando de lado as tendências negativas e atrações desses centros.
Como podemos começar a compreender e incorporar Karma Yoga em nossas vidas? Mudando nossas atitudes e percepções através das práticas e sistemas de Yoga.

Satsanga realizado em Barcelona, Espanha, 18 mai 2001.
Fonte: http://www.yogamag.net/

terça-feira, 15 de abril de 2014

INSPIRADOR: Sri Swami Satyananda Saraswati

Sri Swami Satyananda Saraswati
(1923 – 2009)

Sri Swami Satyananda Saraswati

Dos Sannyasins (renunciantes) que chegaram a Sri Swami Sivananda nos primeiros anos da Divine Life Society (organização criada por Swami Sivananda), muitos se tornaram luminares em sua própria maneira. Um desses importantes luminares foi Swami Satyananda, a quem Swami Sivananda confiou a missão de espalhar o Yoga “de porta a porta, de costa a costa”. Foi Swami Satyananda que desenvolveu os antigos sistemas de Yoga e Tantra (escrituras ou tratados que espargem o conhecimento e que liberta) para seus potenciais mais elevados de uma forma prática e científica e os trouxe para cada canto do mundo, realizando então a inspiração e o mandato de seu Guru. Um dos grandes santos, visionários espirituais e líder da renascença do Yoga moderna, Sri Swami Satyananda inspirou a integração do Yoga na sociedade e encorajou a evolução espiritual de várias pessoas pelo mundo todo.

Sri Satyananda e Swami Sivananda

Sri Swami Satyananda nasceu em 1923 em Almora nos Himalayas. Aos seus seis anos, ele começou a ter experiências espirituais que o levaram para muitos santos daquele tempo. Aos vinte anos, ele renunciou à sua casa em busca de um Guru. Esta procura finalmente o conduziu a Sri Swami Sivananda em Rishikesh, que o iniciou na ordem suprema de Paramahamsa Sannyasa (estágio do Sannyasi, onde, depois de ter concluído o seu trabalho, se ​​aproxima do objetivo final de auto-realização; título que denota um alto estado de consciência dos mestres de Yoga) em 12 de setembro de 1947 às margens do Ganges e lhe deu o nome de Swami Satyananda Saraswati.

Naqueles primeiros anos em Rishikesh, Sri Swamiji mergulhou-se em Guru Seva. Ele trabalhou de madrugada até tarde da noite, envolvendo-se em cada tipo de trabalho no Ashram (comunidade Yogi), de acordo com o comando de seu Guru: “Trabalhe duro e você será purificado. Você não tem que procurar a luz; a luz vai se revelar de dentro de você”.

Através de sua dedicação e espírito de Nishkama Seva, serviço altruísta, Sri Swamiji obteve uma compreensão iluminada dos segredos da vida espiritual e tornou-se uma autoridade no Yoga, no Tantra, no Vedanta (uma tradição espiritual explicada nos Upanishads, que se preocupa principalmente com a auto realização), no Samkhya (um sistema filosófico Indiano) e no Kundalini Yoga (caminho do Yoga que desperta a força espiritual dormente). Como profetizado pelo seu Guru, seu conhecimento se revelou de dentro dele pelo poder de seu Seva (serviço) incansável, combinado com sua permanente fé e amor por Swami Sivananda.

Sri Swamiji serviu no Ashram de seu guru de 1944 a 1956. No dia em que este período de 12 anos se completou, Swami Sivananda confiou a seu discípulo escolhido, Satyam, a missão e o mandato: espalhar o Yoga “de porta a porta, de costa a costa”.


Sua missão apareceu na frente dele em 1962, quando Sri Swamiji fundou o International Yoga Fellowship Movement (IYFM) com o intuito de criar uma fraternidade global de Yoga. Os objetivos do IYFM eram o estabelecimento de centros de treinamento de Yoga, a disseminação do conhecimento do Yoga através de publicações, pesquisas de Yoga e a introdução do Yoga nas escolas.

Sri Swamiji removeu o véu místico que envolvia o Yoga e o apresentou como uma ciência de crescimento pessoal e espiritual para aspirantes não apenas na Índia, mas por todos os continentes do globo terrestre. Ele reviveu e interpretou a prática de Yoga Nidra (relaxamento profundo) do sistema Tântrico de Nyasa (renúncia) quando percebeu seu potencial através de pesquisas e de experimentações. Hoje a prática sistematizada de Yoga Nidra de Swami Satyananda tem sido aclamada mundialmente como uma técnica de Pratyahara (abstração dos sentidos) sem comparações.

Panchagni Sadhana

Em 1988, Swami Satyananda renunciou à sua missão de Yoga, adotando Kshetra Sannyasa (estado mais elevado de um Sannyasa). Ele se estabeleceu em Rikhia, uma pequena vila em Jharkhand, e começou a viver como um Paramahamsa Sannyasin, realizando altos Sadhanas (prática espiritual ou disciplina executada regularmente como experiência interior e auto-realização) espirituais e Védicos. Na mesma época, ele se dedicou ao desenvolvimento desta área rural através da educação para as crianças, de um atendimento médico gratuito e da integração dos aldeões na vida do Ashram. Em 1995, ele iniciou o Sat Chandi Mahayajna  (ritual realizado anualmente em Rikhia) anualmente e em 2008 o Yoga Poornima Shiva Aradhana (programa realizado anualmente).

Sri Swamiji intencionalmente e conscientemente alcançou Mahasamadhi (liberação final experimentada na partida do espírito para fora do corpo) à meia-noite de 5 de dezembro de 2009.

Swami  Satsangi, Sri Satyananda e Swami Niranjan em 2009

Fonte: Bihar School of Yoga

quinta-feira, 3 de abril de 2014

ACONTECEU: Inauguração do Centro de Yoga Ganapati



No dia 27 de março em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, foi inaugurado o Ganapati Centro de Yoga, com a presença de Swami Aghorananda e Gangadhara Saraswati. Este é mais um espaço para a divulgação da tradição de Satyananda Yoga® no Brasil, trabalhando o Yoga de forma integral, seguindo os ensinamentos de Sri Swami Satyananda, Niranjanananda e Satyasangananda Saraswati.

Todos os professores desse novo Centro de Yoga têm formação em  Satyananda Yoga®, participação ativa em seminários nacionais e internacionais e vivência em Ashram desta tradição. Os professores responsáveis pelo espaço são: Alexandre Ribeiro (Atmatirtha), Andrea Ribeiro (Atmakiran), Doris Wolf, Kalinka Susin e Leilda Neuman (Atmakiran).

Ocorrem na cidade vários eventos importantes celebrando a inauguração, todos com participações de Swami Aghorananda e Sn. Gangadhara. Os eventos formam:

- Dia 27/03: Inauguração do Ganapati Centro de Yoga, com realização de Havan para Ganesha, Kirtans e coquetel;
- Dia 28/03: Palestra "Yoga na Educação", ministrada por Sn. Gangadhara, na Escola Municipal Caldas Júnior. A palestra foi direcionada a professores de Yoga e professores da escola, tendo uma presença de 45 professores.
- Dia 29/03: Workshop "Gerenciando o stress através do Yoga", ministrado por Sn. Gangadhara Saraswati, aberto ao público em geral. Esse Workshop teve uma presença de 30 pessoas e teve duração de 4 horas.

Abaixo algumas fotos da inauguração do Centro de Yoga Ganapati.

Swami Aghorananda e Gangadhara

Participantes na inauguração.

Kirtan

Havan com os professores e alunos.

Havan


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...